Tratamentos florestais pós-incêndios

Depois dos incêndios florestais, o solo é muito vulnerável à erosão. Sua erosão causam dois efeitos muito negativos, tanto sobre o próprio terreno sobre o que se produziu o incêndio, como sobre os territórios e massas de água adjacentes. Estes efeitos negativos são a perda de fertilidade e a contaminação por arraste de sedimentos e cinzas.

Revegetação

A melhor medida para a mitigação do impacto dos incêndios é o restabelecimento da cobertura vegetal herbácea. Para isso, utilizam-se técnicas como as hidrossemeaduras ou a instalação de biomantas e redes orgânicas.

SOLUÇÕES DISPONÍVEIS
EM ESTA SITUAÇÃO

Plantação

Depois do controle da erosão e o restabelecimento da cobertura vegetal herbácea é necessária a introdução de espécies arbustivas e arbóreas para regenerar as massas florestais. Para isso são realizadas plantações que devem ser adaptadas às condições de cada lugar e organizadas espacial e temporalmente, de modo que favoreçam a sucessão natural e a propagação e colonização natural. Existem distintas metodologias que buscam estes objetivos minimizando os custos.

Controle da erosão e sedimentos

Para evitar o arraste de sedimentos e a contaminação das massas de água, materiais como os biorrolos e as mantas orgânicas podem ser muito úteis para criar barreiras das zonas mais sensíveis.

SOLUÇÕES DISPONÍVEIS
EM ESTA SITUAÇÃO